Durante o intercâmbio sindical foram discutidos temas como a intensificação do trabalho de Redes nas Américas

 

Edison Venâncio, secretário-geral da Federação e de Relações Internacionais da CNTM; e Marco Mota, sociólogo e assessor da Federação, reuniram-se na quinta-feira, 7 de fevereiro, na sede da Federação (Rua Pará, 66, São Paulo) com as representantes Jana Silverman, Diretora de Programas do Solidary Center, e Carolyn Kazdin, de Campanhas Estratégicas da USW – United Steelworkers. 

Durante o intercâmbio sindical foram discutidos temas como a intensificação do trabalho de Redes nas Américas, atuação das transnacionais Alcoa e Gerdau, níveis de sindicalização nos Estados Unidos e o encontro de Mulheres a ser realizado em março, na cidade de Pittsburg (EUA). 

Os índices de sindicalização nos Estados Unidos são alarmantes. Segundo Jana Silverman, “no setor público está em 11,3%, enquanto no privado o número é de apenas 6,9%”. É o menor índice de sindicalização dos últimos 90 anos. 

Um dos motivos se deve à ação Republicana, que passou a controlar e a cercear a atuação sindical no pólo industrial concentrado nos Estados da Pensilvânia, Ohio e Wisconsin. Esta região, como parâmetro, seria o ABC no Brasil. 

Um dos maiores enfrentamentos do sindicalismo americano trava-se com a Gerdau. A multinacional brasileira contratou uma empresa de consultoria para enfraquecer os movimentos sindicais. Prática conhecida como Lockout. 

As representantes americanas defendem o fortalecimento e ampliação do trabalho das Redes para combater os abusos patronais. Edison Venâncio ressalta: “sem dúvida é imprescindível o trabalho das redes mundiais, mas ainda temos que avançar muito na questão dentro do Brasil”. 

Segundo Carolyn Kazdin, a Rede da Gerdau nos Estados Unidos segue forte. As reuniões acontecem uma vez ao mês com grande participação. A atuação da Rede está sendo decisiva para os trabalhadores, a exemplo, na política da empresa em fazer rodízio de gerentes nas plantas americanas. 

Encontro das Mulheres em Pittsburg, EUA 

As representantes da USW aproveitaram o encontro para convidar todas as mulheres, ligadas aos Sindicatos filiados à Federação a participarem da Conferência “Mulheres de Aço: honrando o passado, protegendo seu futuro”, que será realizada em Pittsburg, EUA, de 10 a 13 de março. Para mais informações, as interessadas devem entrar em contato com Edison Venâncio, pelos edison.venancio@fedmetalsp.org.br ou edisonfedmetalsp@hotmail.com. 

Sobre a USW 

A United Steelworkers é a maior entidade sindical na América do Norte, com 860.294 membros. Com sede em Pittsburgh (EUA), representa os trabalhadores nos Estados Unidos, Canadá e Caribe nas setores de metais, produtos químicos , vidro, borracha  correias transportadoras, pneus, transporte , serviços públicos, recipiente indústrias, produtos farmacêuticos , centros de atendimento e cuidados de saúde . 

O Sindicato dos Metalúrgicos está atualmente vinculado à Federação Americana do Trabalho – Congresso das Organizações Industriais (AFL-CIO) e da Canadian Labour Congress (CLC), bem como várias federações sindicais internacionais. Em 2 de julho de 2008, o Sindicato dos Metalúrgicos Unidos assinaram um acordo de fusão com o Reino Unido e Irlanda baseado sindicato, Unite, para formar uma entidade nova união global chamada Trabalhadores Unidos . 

O atual presidente Internacional da United Steelworkers é Leo Gerard, que tem servido como presidente desde 2001. 

 

Fonte: Mundo Sindical