A Escola do Trabalhador, prestes a completar um ano de funcionamento, chega à marca de 100 mil pessoas qualificadas. Lançada em 21 de novembro de 2017, a plataforma de educação à distância do Ministério do Trabalho, desenvolvida em parceria com a Universidade de Brasília (UnB), já recebeu 605.475 matrículas de 396.730 alunos, matriculados em um curso ou mais.

“O número de qualificados pela Escola do Trabalhador demonstra claramente que o trabalhador brasileiro está buscando se aperfeiçoar. É por meio da qualificação que se promove o desenvolvimento econômico e produtivo do país, permitindo ao cidadão o acesso a saberes específicos que promovam o seu acesso, trânsito e permanência no mundo do trabalho”, destaca o ministro do Trabalho, Caio Vieira de Mello.

O diretor de Políticas de Empregabilidade do Ministério do Trabalho, Higino Brito Vieira, salienta que a dinâmica da Escola do Trabalhador se baseia no acesso a conteúdo específico e em sua difusão, com conhecimento necessário à atuação e ao crescimento profissional dentro de determinada ocupação. “O acesso é desburocratizado e limitado apenas à vontade do cidadão de se qualificar, sem pré-requisitos ou exigência de escolaridade comprovada. Isto é o fator que diferencia a Escola do Trabalhador de outras iniciativas semelhantes”, explica o diretor.

Do total de alunos da Escola do Trabalhador, 36,96% estão ativos no mercado de trabalho, mas continuam em busca de conhecimento. É o caso do servidor da Secretária de Saúde do Distrito Federal André Wagner de Oliveira, 37 anos, que já realizou três cursos relacionados à sua área de atuação. “Os cursos são objetivos e bastante esclarecedores. Eu já apliquei no dia a dia os conhecimentos adquiridos em relação à humanização do atendimento e aos cuidados com idosos e gestantes, público com o qual trabalho”, disse.

Carlos Rosa, professor da Escola Técnica de São Paulo, tem realizado e divulgado cursos da Escola do Trabalhador. Ele conta que dá aulas de informática e indica os cursos aos seus alunos. “O portal é muito dinâmico e têm correspondido às minhas expectativas. Nas minhas aulas tenho sugerido aos alunos os cursos de informática da Escola do Trabalhador e validado como nota”, relata o professor.

Ao todo, a Escola do Trabalhador disponibiliza 26 cursos gratuitos, focados nas necessidades do mercado de trabalho brasileiro. A expectativa é de que sejam disponibilizados 50 cursos pela plataforma, com um atendimento previsto de 6 milhões de pessoas até 2019.

 

Ministério do Trabalho
Simone Sampaio
Assessoria de imprensa
imprensa@mte.gov.br
(61) 2021-5449