Trabalhadores que queriam lutar pelos seus direitos foram sufocados pelos patrões

A Negociação Coletiva está em seu ápice e o SindMetal-GO tem se reunido frequentemente com os trabalhadores para saber o desejo deles acerca das melhorias que eles desejam, inclusive sobre o aumento salarial da categoria.

No dia 16 de maio, o sindicato dos trabalhadores metalúrgicos foi até a Mangels para que eles pudessem votar contra ou a favor da greve, já que a empresa nem chegou perto de negociar os benefícios que a categoria pedia. A resposta ao sindicato foi imediata, os metalúrgicos pediram a greve e estavam completamente insatisfeitos com a proposta oferecida, que era um aumento salarial de 8,5%.

A paralisação ocorreria na quarta-feira, dia 22, caso a Mangels não se manifestasse para reabrir as negociações com o intuito de oferecer uma proposta justa. Porém, com muita intimidação e retaliação os empresários conseguiram calar a voz dos trabalhadores e fizeram com que eles aceitassem ficar no resultado da CCT, negociada como Simelgo. Os empregados da Mangels desistiram da paralisação, mas o SindMetal-GO não desistiu da luta.


Trabalhadores da Mangels se mostram animados com o estado de greve

O procedimento usado pelos gestores da Mangels configura ato antisindical, o que é proibido por lei. Dessa forma, o sindicato levará a contravenção ao Ministério Público do Trabalho e Emprego da 18º Região para que a empresa arque com as consequências dos seus atos.

Leia mais

>>Empregados da Brasmom já decidiram: é greve!

>>Trabalhadores da JK, Cemix e Mangels votam a favor da greve

>>SindMetal-GO marca presença em evento sobre a Segurança do trabalhador

 

Fonte: Assessoria de Comunicação e Marketing do SindMetal-GO