Apesar de ligeira retração, goianos continuam otimistas

A confiança do empresário goiano se manteve estável em abril e, apesar de ligeira retração em relação ao mês anterior, continua positiva. O resultado é reflexo de ajustes do cenário econômico internacional e do posicionamento favorável do governo federal com novas medidas que visam a fortalecer a indústria brasileira diante da concorrência dos produtos importados, englobando medidas tributáveis, financiamento de comércio exterior e medidas creditícias.

Assim, o Índice de Confiança do Empresário Industrial (Icei), pesquisado pela Federação das Indústrias do Estado de Goiás (Fieg), registrou recuo de 0,2 pontos passando de 59,9 pontos em março para 59,7 em abril, mantendo-se acima da média nacional de 57,2 pontos, conforme o Icei medido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). Com relação ao mês de abril de 2011, a retração goiana é pouco maior, de 3,2 pontos. Índices acima de 50 pontos indicam empresários confiantes.

De acordo com o economista da Fieg, Cláudio Henrique de Oliveira, naquele mês, a indústria goiana ainda vinha de um reflexo positivo do crescimento registrado em 2010, quando a atividade industrial cresceu 15% em termos de Produto Interno Bruto (PIB). As médias e grandes empresas estão mais confiantes – crescimento de 2,1 e 1,5 pontos, respectivamente. Quanto às empresas de pequeno porte, houve queda de seis pontos.

Com relação à atual situação, em comparação com os últimos seis meses, o setor informa redução no indicador de condições, que mesmo próximo a 50 pontos (48,5), é o menor dos últimos seis meses e o segundo menor do ano.
As ligeiras reduções na confiança e nas condições do empresário industrial foram acompanhadas por uma também ligeira elevação nas expectativas do setor. Essa expectativa medida em março alcançou 64,9 pontos e em abril 65,2. O resultado do último levantamento apresenta queda mais acentuada na expectativa com relação ao mês de abril de 2011, quando foi registrado 68,7 pontos.

Fonte: O Hoje (GO)