O documento traz cinco pontos a serem defendidos por todos os trabalhadores da GM na Europa e América Latina

Os dirigentes sindicais que participaram, nesta quarta-feira, dia 21, do Encontro Internacional sobre a situação dos trabalhadores da General Motors redigiram uma Declaração Política para ser entregue à direção da montadora e aos governos.

O documento traz cinco pontos a serem defendidos por todos os trabalhadores da GM na Europa e América Latina. Além disso, também ficou definida a organização do “Janeiro Vermelho”, em São José dos Campos, como forma de pressionar a empresa a abolir o plano de demissão em massa na cidade.

O encontro internacional aconteceu em São José dos Campos e contou com a participação de dirigentes sindicais da Espanha, Alemanha, Colômbia, Argentina e Brasil. Durante todo o dia de hoje, os participantes relataram os ataques vividos pelos trabalhadores da GM em seus países e discutiram formas de resistência.

Na declaração política, os dirigentes defendem:
– Unidade e luta contra demissões e fechamento de fábricas da General Motors no mundo.
– Estabilidade no emprego.
– Por melhores condições de trabalho, salário e direitos.
– Contra os ataques aos lesionados, em defesa da saúde e segurança no trabalho.
– Liberdade de organização sindical.

“Vamos estender essa declaração para outros sindicatos que não puderam comparecer ao encontro, mas já manifestaram apoio à nossa luta. O plano de reestruturação da GM é um problema que atinge todas as fábricas e que precisa ser barrado. Queremos tornar esta declaração pública, encaminhá-la aos governos onde existe a montadora, mas, especialmente, entregar à própria GM para que fique bem claro que os trabalhadores estão ganhando força e que não se dobrarão a seus ataques”, afirma o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, Antonio Ferreira de Barros.

Janeiro vermelho

O Sindicato dos Metalúrgicos vem realizando, desde agosto, uma série de negociações com a General Motors, como tentativa para barrar o plano da montadora em demitir 1.840 trabalhadores a partir de 26 de janeiro de 2013.  As reuniões, entretanto, têm tido poucos avanços.

“A GM permanece com o propósito de fechar o setor MVA (Montagem de Veículos Automotores) e realizar as demissões, apesar de todas as alternativas que já apresentamos. Por isso, não podemos apenas esperar pelo fim das negociações. Vamos intensificar as atividades para envolver toda a sociedade nesta luta”, disse Antonio Ferreira.

A intensificação dessas atividades vai acontecer em janeiro de 2013, que será chamado de “Janeiro Vermelho”, com fortes mobilizações em São José dos Campos. A atividade será apoiada por todas as entidades participantes do encontro internacional.

Fonte: Mundo Sindical (SP)