O projeto da Prefeitura de Goiânia que prevê reajustar o salário de todos os servidores operacionais e administrativos em 6,28%, relativo ao período de maio de 2013 a abril de 2014, só vai ser votado pelos vereadores em janeiro do próximo ano. O documento chegou a ser lido em plenário na sessão extraordinária de segunda-feira e poderia passar pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e ir em votação por autoconvocação, mas houve entendimento de passar a discussão para 2015.

Na tarde de ontem ocorreu a última sessão presidida pelo vereador Clécio Alves (PMDB), que passou o cargo informalmente para Anselmo Pereira (PSDB). A posse da nova Mesa Diretora está marcada para o dia 2 de janeiro de 2015. Anselmo Pereira já se comprometeu com o sindicato dos servidores públicos municipais a realizar uma autoconvocação em janeiro para apreciar a data-base.

O novo presidente afirma que primeiro vai verificar quantos vereadores estão em Goiânia e, se tiver o quórum mínimo de 18, realiza a convocação. O projeto da Prefeitura também muda a data-base para os servidores administrativos da Educação para janeiro, enquanto o magistério vai passar a ter sua data-base segundo os valores e datas do Ministério da Educação.

Na última sessão do ano, os vereadores aprovaram os quatro últimos projetos do Executivo que estavam aptos para serem votados. Por 21 a 6, a Câmara permitiu que o Paço venda créditos das dívidas com impostos, o que gerou discussão, pois a oposição entende que ocorrerá quebra de sigilo fiscal dos devedores ou mesmo renúncia fiscal por parte do município. Também foram aprovados o uso dos fundos municipais de qualquer modo pela Prefeitura e mudanças no sistema de registro de preços em compras e obras.

 

Fonte: O Popular