O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central informou nesta terça-feira (17), por meio da ata de sua última reunião, que a decisão de intensificar o ritmo de redução dos juros contribui, desde já, para o processo de estabilização e posterior retomada da atividade econômica.

A ata se refere à decisão do Copom da semana passada de baixar a taxa básica da economia, a Selic, de 13,75% para 13% ao ano. Foi o maior corte em quase cinco anos e o terceiro seguido promovido pelo colegiado.

O documento aponta, porém, que esse ritmo maior de corte de juros não implicará em desvio em relação ao objetivo de levar a inflação para a meta de 4,5% em 2017 e 2018. O BC estima que o IPCA ficará entre 4% e 4,4% neste ano, abaixo da meta central de inflação fixada para o período, e entre 3,4% e 4,5% no ano seguinte.

Recessão e inflação

A economia brasileira passa por forte recessão, tendo o Produto Interno Bruto (PIB) encolhido 3,8% em 2015, o maior tombo em 25 anos, e com estimativa de um recuo de cerca de 3,5% no ano passado (resultado ainda será divulgado pelo IBGE). Para 2017, o governo estima um crescimento de 1%, o mercado vê uma expansão de 0,5%, mas o Fundo Monetário Internacional (FMI) projeta uma alta de apenas 0,2%.

Ao mesmo tempo, os últimos indicadores mostram inflação mais controlada. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a inflação oficial do país, voltou a ficar abaixo do teto de 6,5% no ano passado, somando 6,29%, depois de ter alcançado 10,67% em 2015.

“O processo contínuo de distensão do mercado de trabalho [aumento do desemprego] e a desaceleração significativa da atividade econômica podem produzir desinflação mais intensa que a refletida nas expectativas de inflação medidas pela pesquisa Focus [que traz as expectativas dos bancos] e nas projeções condicionais produzidas pelo Copom”, avaliou o Banco Central.

O BC acrescentou que a “dinâmica mais favorável da inflação no período recente mostra sinais de desinflação mais difundida” e que a “atividade econômica aquém do esperado e a perspectiva de uma recuperação mais demorada e gradual tendem a reforçar esse processo”.

Decisões futuras

Sobre as decisões futuras a respeito da taxa básica de juros, o Copom informou que a extensão do ciclo (de corte dos juros) e “possíveis revisões no ritmo de flexibilização continuarão dependendo das projeções e expectativas de inflação” e da evolução dos fatores de risco – como o comportamento da inflação, da taxa de crescimento, das reformas fiscais e de outros ajustes na economia.

Na semana passada, o mercado financeiro estimou que o Copom realizará um corte menor de juros, de 0,50 ponto percentual, em seu próximo encontro, em fevereiro, para 12,50% ao ano. Para o fim de 2017, porém, os analistas já preveem que a taxa Selic estará em 9,75% ao ano, ou seja, abaixo de 10% ao ano.

Fonte: G1