Em maio, os brasileiros ficaram mais preocupados com a situação financeira da família e, com isso, o índice que mede a confiança do consumidor recuou. Na passagem de abril para maio, o indicador mostrou queda de 3,3%, passando de 106,3 para 102,8 pontos – o menor nível desde abril de 2009, segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV).

Com esse resultado, o índice manteve-se abaixo da média histórica, de 116,4 pontos, pelo 16º mês consecutivo.

A preocupação dos consumidores com relação ao orçamento doméstico segue para os próximos meses.

O indicador que mede o grau de otimismo em relação à situação financeira familiar foi o quesito que mais influenciou a queda do ICC esse mês, ao cair 3,4%, para 124,7 pontos, o menor nível desde fevereiro de 2010 (124,0). A fatia de consumidores que esperam melhora caiu de 35,6% para 32%; a dos que preveem piora subiu de 6,5% para 7,3%.

A pesquisa mostra que os consumidores estão pouco satisfeitos com a situação atual e pessimistas em relação aos rumos da economia nos próximos meses. O Índice da Situação Atual (ISA) caiu 3,9%, para 107,2 pontos, o menor desde maio de 2009 (103,0). O Índice de Expectativas (IE) caiu pelo sexto mês seguido, 2,9%, para 100,6 pontos, o mais baixo desde março de 2009 (97,6).

Quanto ao grau de satisfação dos consumidores com a situação financeira pessoal, foi registrada queda de 3,8% (de 109,3 para 105,1 pontos), o menor nível desde agosto de 2009 (104,9). A proporção de consumidores que avaliam a situação como boa diminuiu de 22,5% para 19,2%, enquanto a dos que a consideram ruim aumentou de 13,2% para 14,1%

 Fonte:G1