Depois das vendas do comércio levar uma rasteira da Copa do Mundo, liquidações com descontos de até 70% entraram em campo para tentar reverter um quadro preocupante. Alguns funcionários calculam que do início do Mundial até ontem, as vendas caíram até 50%, sobretudo nos dias de jogos da seleção brasileira.

As redes de varejo e lojas virtuais estão promovendo liquidações de aparelhos de televisores e outros produtos. O Extra promete, para hoje e amanhã, a possibilidade de parcelamento em até 20 vezes sem juros no cartão da rede para todos os itens da seção de eletrônicos.

Já as lojas de artigos esportivos comemoraram o bom período de vendas até a derrota do Brasil na semifinal e, agora, também promovem queima de estoque de produtos relacionados ao campeonato.

Lojas de confecção, calçados e acessórios, principalmente, estão acostumados a liquidar suas peças no fim do mês de julho, de acordo com o calendário de troca de coleção. Entretanto, este ano, após a decepção nas vendas, muitos comerciantes estão imprimindo esta ferramenta antecipadamente. Os índices promocionais variam de 10% até 70%.

A revendedora de cosméticos Zimar Batista de Souza Caetano, que mora em Santa Terezinha de Goiás, estava passeando ontem pelo Goiânia Shopping em busca de um agasalho. “Vou viajar à Brasília e vou precisar de um”, frisa. Ao ser entrevistada pela reportagem, Zimar já estava com a blusa de frio em uma sacola e, em outra loja, flertava uma calça. “Vou levar uma calça e pretendo comprar outras coisas”, diz. Tudo isso, diz, graças às promoções.

É no ritmo de consumidores como a revendedora que as vendas começam a engrenar. A supervisora de vendas da Loja Opção, Carla Matos, desde o início da Copa do Mundo, a venda nas cinco lojas da rede caíram quase 50%.

“Nós não sabíamos como o mercado ia reagir com a Copa, mas nunca pensamos em uma queda tão grande”, afirma. De terça pra cá, diz, as vendas recuperaram 10%.

A comerciante Lilian de Lima Vasconcelos saiu de casa ontem à tarde para comprar um presente para uma amiga. Ao ser entrevistada já segurava uma sacola, mas o vestido era para ela.

“Bom, no mínimo vou sair daqui comprando dois produtos”, brinca. Ela ressalta que ao entrar no centro de compra, a filha logo a alertou para as promoções das lojas.

Do outro lado da ponta, vendedores de artigos esportivos comemoraram um incremento de até 30% no faturamento ao longo da Copa do Mundo. Mas após o placar de 7×1 para a Alemanha, o desafio é desencalhar alguns artigos relacionados ao mundial.

Segundo o gerente da Centauro do Shopping Bougainville, Fernando Lopes, a loja não vendeu mais nenhum Fuleco, o mascote da Copa do Mundo, desde a derrota da seleção. O valor da unidade mais cara caiu de R$ 79 para R$ 59 – uma redução de 25%. Fernando conta que as camisas da seleção brasileira caíram de preço desde as oitavas de final, ou seja, na fase eliminatória do campeonato. “Preferimos não arriscar”, diz. O preço inicial de R$ 229 foi para R$ 149 – queda de 34,9%.

Mas ele explica que este produto pode ficar ainda mais barato. Em função de um acordo comercial entre a Nike e as lojas Centauro, as peças serão recolhidas dos estabelecimentos na próxima terça-feira. “Acreditamos que elas serão repassadas para os outlets”, diz.

O gerente da Apolo Esportes e Calçados, Edvânio Rosa de Oliveira conta que esgotaram as camisas oficiais da seleção brasileira, sobrando apenas a camisa torcedor da Nike. “Ela já vinha com esse preço antes e deve cair até 30% nos próximos dias”, afirma.

SHOPPINGS

Alguns shoppings da capital já começaram as tradicionais promoções de troca de coleção. Desde segunda-feira, o Araguaia Shopping oferece aos clientes vantagens e descontos em até 50% em lojas de alimentação e lazer. São 12 promoções diferentes reunidas em um tabloide com cupons descartáveis. Basta o consumidor destacar o cupom e apresentá-lo diretamente na loja participante.

A partir da próxima semana, outros shoppings da capital lançam campanhas promocionais.

Fonte: O Popular