O indicador que mede o Clima Econômico da América Latina (ICE) — elaborado em parceria entre o Instituto alemão Ifo e a FGV avançou 4% em julho, na comparação com abril, permanecendo em níveis muito baixos em termos históricos.

De acordo com a pesquisa, a melhora foi motivada pela diminuição do pessimismo em relação aos seis meses seguintes, enquanto as avaliações em relação à situação econômica presente dos países da região continuou piorando.

O ICE recuou na Argentina, Brasil, Chile, Paraguai e Uruguai, influenciado pelas “condições recessivas” dos seus parceiros do Mercosul, Argentina e Brasil.

O Índice da Situação Atual (ISA) relativo ao Brasil chegou a 20 pontos – “fundo poço”, de acordo com a pesquisa. Já o Índice de Expectativa apresentou estabilidade em relação à sondagem de abril, em 76 pontos.

“Em suma, a Sondagem da América Latina de julho de 2015 mostra que a região continua distante da recuperação mundial, embora a análise por países mostre grande heterogeneidade de situações.”

Fonte: G1