Os preços da cesta básica aumentaram em janeiro em todas as 18 capitais pesquisadas pelo Dieese

Os preços da cesta básica aumentaram em janeiro em todas as 18 capitais pesquisadas pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), conforme informou a entidade nesta quarta-feira (6).

As maiores elevações ocorreram em Salvador (17,85%), Aracaju (13,59%), Natal (12,48%) e Brasília (11,30%). As menores oscilações foram registradas em Fortaleza (2,19%), Belo Horizonte (3,06%) e Belém (3,29%).

Em doze meses, entre fevereiro de 2012 e janeiro de 2013, período em que o Dieese reuniu informações de preços da cesta básica em 17 capitais, em todas houve aumento acima de 10%.

As maiores elevações ocorreram em Natal (26,18%), Salvador (24,95%) e Aracaju (23,38%) e as menores em Curitiba (11,47%), São Paulo (11,51%) e Belo Horizonte e Rio de Janeiro (ambas com alta de 11,83%). Os dados não incluem Campo Grande (MS), onde a pesquisa passou a ser feita em novembro.

MAIS CARAS

Em janeiro de 2013, São Paulo continuou como a capital onde se apurou o maior valor para a cesta básica (R$ 318,40). Depois, aparecem Vitória (R$ 315,38) e, com valor semelhante, Porto Alegre (R$ 309,33) e Florianópolis (R$ 309,21).

Os menores valores médios foram observados em Aracaju (R$ 231,80), João Pessoa (R$ 252,13) e Recife (R$ 257,43).

Tomate, arroz, feijão e carne – item com maior peso na cesta – foram os produtos que mais subiram na maioria das capitais, segundo o Dieese.

SALÁRIO

Com base no custo apurado para a cesta de São Paulo, o Dieese estima que o valor do salário mínimo deveria ser de R$ 2.674,88 ao mês, ou seja, 3,95 vezes o mínimo de R$ 678,00 que entrou em vigor a partir de janeiro.

Em dezembro de 2012, o mínimo necessário era menor, equivalendo a R$ 2.561,47, ou 4,12 vezes o piso então vigente, de R$ 622,00. Em janeiro de 2012, o valor necessário para atender às despesas de uma família chegava a R$ 2.398,82, o que representava 3,86 vezes o mínimo de então (R$ 622,00).

Fonte: Folha.com