Centrais, governo e construtoras se reúnem na próxima terça-feira (29). Obras de usinas e refinarias foram paralisadas por greves e conflitos.

As principais centrais sindicais – Central Única de Trabalhadores (CUT) e Força Sindical – vão propor a criação de uma convenção coletiva de trabalho para evitar greves e conflitos em obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), segundo informou nesta sexta-feira (24) o deputado federal Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), que preside a Força Sindical. 

Algumas das principais obras do PAC foram paralisadas por conta da insatisfação dos trabalhadores. É o caso do conflito no canteiro das obras das usinas hidrelétricas de Jirau e Santo Antônio, no Rio Madeira, em Rondônia. Em Suape (PE), há paralisações na Refinaria Abreu e Lima e na Petroquímica Suape.

Quem dialoga com trabalhadores e construtoras em nome do governo federal é o secretário-geral da Presidência, Gilberto Carvalho. Na próxima terça-feira (29), às 10h, Carvalho terá uma reunião no Palácio do Planalto com as centrais sindicais, representantes das construtoras e o Ministério Público do Trabalho.

O deputado Paulo Pereira relatou que a Força Sindical tem participado das negociações nas obras do PAC. “Enviamos sindicalistas para ajudarem nas negociações. Temos um problema porque as lideranças nesses locais são inexperientes em relação à negociação com as empresas”, contou o deputado.

Convenção
Paulo Pereira está em Brasília nesta sexta para a convenção nacional do PDT. Na convenção, o partido vai reconduzir o ministro do Trabalho, Carlos Lupi, à presidência da legenda. Lupi se licenciará para prosseguir no cargo de ministro e os vice-presidentes – os deputados federais Brizola Neto (RJ) e André Figueiredo (CE) – devem se alternar no comando do partido.

O atual presidente em exercício da legenda, Manoel Dias, será secretário-geral da legenda. Paulo Pereira será secretário de organização.

Fonte: Portal G1 de Notícias