Revelar à população o valor dos impostos sobre refeições fora de casa para estimular uma cobrança maior sobre a classe política para a necessidade de redução da carga tributária e de melhor aplicação dos recursos arrecadados. Esse foi o objetivo de uma ação realizada em nove restaurantes da capital, que venderam um dos pratos do cardápio com desconto de 33%, que é o porcentual de tributos pagos, segundo informações do Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT).

O evento, alusivo ao Dia de Respeito ao Contribuinte e da Liberdade de Impostos, foi promovido ontem, em Goiânia, pela Associação de Jovens Empreendedores e Empresários de Goiás (AJE Goiás) e entidades que integram o Fórum Jovens Lideranças Empresariais de Goiás. E quem aproveitou para pagar mais barato pela refeição ontem se espantou com a diferença do preço com e sem impostos.

DIFERENÇA

Foi o caso da estudante de Odontologia Marcela Rocha, que pagou R$ 15,90 por um almoço executivo individual, que normalmente custa R$ 24,10. Para ela, essa grande diferença mostra como a carga tributária é pesada. “Se não fossem tantos impostos, dava para sair mais para comer fora”, ressaltou.

Mas, para Marcela, o maior problema é que, além dos impostos serem altos, a população não tem o retorno ideal. Mas ela acredita que essa nova geração está aprendendo a cobrar mais. “Uma prova disso são as manifestações nas ruas”, destaca.

Para o representante comercial Osvaldo Fernandes, se a carga de 33% sobre a alimentação fora de casa já é alta, imagine outros produtos onde ela é bem maior. Ele acredita que esse esclarecimento da população deveria motivar uma mobilização em torno da redução da carga tributária e da melhor aplicação dos recursos. “Se, pelo menos, tivéssemos um retorno satisfatório em saúde e educação, eu pagaria com mais prazer”, diz. Para Osvaldo, a ação é uma forma de abrir os olhos das pessoas. “Uma prova de que esses impostos pesam é que, hoje, o restaurante está bem mais cheio que num dia normal”.

EDUCAÇÃO

O Dia de Liberdade de Impostos foi instituído pela Lei Federal 12.325, de 2010, para marcar a data em que o trabalhador termina de pagar seus impostos anuais. “Só a partir daí, ele começa a trabalhar para si mesmo”, explica o coordenador da ação e diretor da AJE Goiás, Rafael D’Almeida. Segundo ele, este ano o foco do evento é educação.

“O Brasil é um dos poucos países que tributa educação”, ressalta Rafael. A cada R$ 100 pagos em uma mensalidade escolar, R$ 37 são impostos. O Brasil é o 14º no ranking mundial de maior tributação, com R$ 1,3 trilhão arrecadados no ano passado. Por isso, segundo ele, o evento visa conscientizar a população sobre a importância de cobrar uma aplicação correta desses recursos.

Rafael acredita que o evento já está ajudando a despertar essa conscientização. Para ele, as manifestações que se espalham pelo País já são um indício do início dessa cobrança. “Se a carga fosse reduzida, até os empreendedores poderiam pagar melhores salários a seus funcionários.” O mais importante, segundo o diretor da AJE, é que essa conscientização não fique restrita à ação de um dia, mas se estenda por todo ano. “Só a população se indignando e contestando mais para mudar isso.”

A Câmara de Desenvolvimento Lojista Jovem de Goiânia (CDL Jovem) também promove hoje o Dia da Liberdade de Impostos. O evento será realizado na QG Jeitinho Caseiro, na Avenida T- 63, no Setor Nova Suíça, que oferecerá vários itens do cardápio com isenção de tributos em apoio à campanha.

Fonte: O Popular