Para 2014, a previsão de alta do PIB foi reduzida de 4% para 3,2%, segundo relatório do Fundo

Washington – O Brasil foi o país que sofreu a maior redução na previsão de crescimento para 2014, segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI). O Fundo também disse que o avanço do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano será menor do que estimava, mas, apesar da piora do cenário, afirmou que o governo não deveria recorrer a novas medidas de estímulo.

“A política macroeconômica precisa ser cuidadosa. Usar estímulo monetário agora seria errado na nossa opinião, pois a inflação já está acima da curva”, disse Thomas Helbling, chefe da Divisão de Estudos Econômicos do FMI. “O governo deveria manter a meta fiscal.”

O FMI reduziu em 0,8 ponto porcentual a previsão de crescimento do PIB brasileiro no ano que vem, para 3,2%. Para este ano, o FMI estima avanço de 2,5% – em abril, a previsão era de alta de 3%. Apesar das revisões para baixo, o Fundo ainda espera um crescimento mais forte do que os analistas ouvidos pelo Banco Central na pesquisa Focus, que projetam uma expansão de 2,34% em 2013 e de 2,8% em 2014.

“Depois de uma década de rápido crescimento, o Brasil atingiu sua capacidade e tem obstáculos no caminho, especialmente em infraestrutura e mão de obra”, disse Helbling.

EMERGENTES

Assim como o Brasil, a economia mundial também vai crescer menos que o previsto pelo FMI em 2013, de 3,8% para 3,1%, o mesmo crescimento de 2012, especialmente pela desaceleração dos países emergentes e pela persistente estagnação da Europa.

 

Fonte: O Popular (GO)