Botijão de 13 quilos subiu de R$ 40 a R$ 43 para R$ 45, em média, mas em alguns locais preço pode chegar a R$ 50. Algumas revendedoras não repassaram o aumento ontem

Muitas revendedoras de gás de cozinha de Goiânia inda não haviam alterado o valor do preço do produto até a tarde de ontem. As empresas aguardam os carregamentos com os novos valores a fim de repassar para o consumidor. Isso significa que vale a pena pesquisar.

Segundo o Sindicato das Empresas Revendedoras de Gás da Região Centro-Oeste (Sinergás), o aumento é de 6,25%. Em média, esse porcentual pode representar um aumento médio do botijão entre R$ 2 e R$ 3. Mas algumas revendedoras afirmam que o valor pode elevar em até R$ 7 a partir de hoje.

SURPRESA

“É um absurdo. A inflação está comendo nosso salário”, reage o vigilante José da Silva. Ele conta que foi surpreendido hoje ao saber que o botijão gás de 13 quilos sofreu aumento de 6,25%. Ele informa que em sua última compra do produto pagou R$ 43 e já aguarda pagar por volta de R$ 45 daqui a alguns dias.

A estudante, Lilian Aparecida Alves dos Santos, explica que o aumento vai apertar o orçamento familiar. Ela mora com outras quatro pessoas. A família gasta, mensalmente, dois botijões de “Moro no Setor Santo Antônio e pagamos R$ 48 por botijão. Já são quase R$ 100 por mês de gás de cozinha. Um aumento de 6,25% é absurdo. Seria aceitável se fosse algo em torno de 2%”, diz.

Para o economista Marcelo Eurico de Sousa, o peso da elevação do preço do botijão de gás equivale aos da energia elétrica e saneamento básico. “Mesmo uma variação pequena, gera impacto tanto no índice de inflação quanto no orçamento doméstico”, diz.

Como se trata de item de primeira necessidade, o aumento do gás de cozinha prejudica, sobretudo, famílias de baixa renda (até cinco salários mínimos). “Em função da restrição orçamentária, essas famílias precisam mudar os hábitos de consumo”, diz.

RESTAURANTES

Para ele, isso inclui uma queda na qualidade de vida. Mas Marcelo Eurico afirma que o aumento atinge também as pessoas que se alimentam fora do domicílio. “Os bares e restaurantes podem segurar um pouco mais, mas uma hora esse aumento chega para o consumidor.”

A dona de casa Aureliana Alves Rodrigues explica que vai tentar espichar o rendimento do botijão de 13 quilos. “Somos quatro pessoas e um botijão dura 36 dias. Esse aumento pesa e vamos ter de apertar o bolso”, afirma.

PESQUISA

A reportagem de O POPULAR entrou em contato na tarde de ontem com dez revendedoras de gás localizadas em diversos setores da Grande Goiânia. A metade delas ainda não tinha elevado os preços.

“Devemos aumentar amanhã (hoje). Vai passar de R$ 43 para R$ 50”, diz a vendedora de uma empresa. Outros cinco informaram que os preços foram alterados entre R$ 2 e R$ 3. Entre estas, o valor mais baixo encontrado durante a pesquisa informal realizada ontem pela reportagem foi de R$ 40. A mais cara, de R$ 47.

Fonte: O Popular