IPC registra alta de 0,56% no mês de setembro, segundo Segplan

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) em Goiânia praticamente manteve o índice do mês de agosto (0,54%), registrando, em setembro, uma variação de 0,56%. O grupo que exerceu maior pressão positiva no IPC foi o da alimentação, que apresentou alta de 1,15%.

No grupo da alimentação, muitos produtos ficaram mais caros: arroz (3,95%), leite tipo C/LV (2,11%), óleo de soja (4,10%), carne bovina (2,33%) e feijão carioca (1,40%). Mas, devido à entressafra, foram as frutas que apresentaram maior alta, pressionando o índice com variação de 7,69%, com destaque para a banana prata (16,97%).

Os gastos com artigos residenciais também aumentaram e ficaram em segundo lugar no ranking de maiores pressões positivas, passando de 0,42%, em agosto, para 2,12%, em setembro. Seguindo a lista dos grupos com maiores variações, saúde e cuidados pessoais aumentaram de 0,49% para 1,01%.

A cesta básica variou 0,16%, aumentando para R$ 203,12. Apesar do encarecimento, o acumulado no ano está em -0,47% – o que significa que a cesta básica está 0,47% mais barata em relação a janeiro deste ano. O preço da cesta básica (para uma pessoa) representa 37,27% do salário mínimo atual.


Lillian Maria Prado divulga IPC em Goiânia, pela Segplan

De acordo com a superintendente de Estatísticas, Pesquisa e Informações Socioeconômicas, Lillian Maria da Silva Prado, a perspectiva para o mês de outubro é de que os combustíveis, que já sofreram aumento no início do mês, voltem a encarecer e a pressionar a inflação. Lillian prevê ainda que os alimentos, dessa vez devido às chuvas, vão continuar contribuindo para uma variação positiva do IPC em Goiânia.

 

Veja Também:

>> Alimentos têm a maior alta do ano em Goiânia, segundo IPC

>> Transporte e alimentação pressionam inflação em Goiânia

>> Inflação de maio em Goiânia chega a 0,89%, afirma Segplan

 

Fonte: Assessoria de Comunicação do SindMetal-GO