A inflação tem sido o grande inimigo dos brasileiros. No acumulado de doze meses, ela encerra o ano em 6,46%, pelo IPCA-15, próxima do teto da meta de 6,5% e bem longe dos 4,5%, centro da meta que deve ser perseguido pelo Banco Central. Para tentar segurar a inflação, o BC elevou os juros para 11,75% ao ano. Mas a medida só foi tomada depois de muitas contradições do governo. Contra todas as evidências de que o BC precisava endurecer a política monetária, diante da frouxidão fiscal, para conter as pressões inflacionárias, o presidente Alexandre Tombini dizia que a trajetória da inflação era de queda – o que, como se comprovou depois, era uma previsão furada. A inflação, contudo, tem sido sentida com muito mais força pelos brasileiros do que os 6,5% indicados nos índices oficiais. Em Goiânia, o custo de vida tem subido mais do que no restante do País. Nos últimos três meses, a capital registrou os maiores porcentuais de aumento do País, de acordo com o IPCA, INPC e IPCA-15 divulgados pelo IBGE. Resultado da pressão exercida pelas altas dos preços dos alimentos, principalmente carnes com alta de 24%, combustíveis e energia elétrica. A alta do custo de vida virou piada, a tal ponto de 

Fonte: O Popular