Mais uma vez terminou frustrada a tentativa do SindMetal-GO em avançar na negociação coletiva com o Simelgo. Em reunião na última quarta-feira (12), a comissão negociadora do sindicato dos patrões não se dispôs a tratar as negociações com a seriedade necessária e, ao invés de apresentar nova proposta, expôs a mesma da reunião anterior. Os empresários insistiram em não fornecer nenhum benefícios para a Convenção Coletiva de Trabalho e afirmaram que só podem oferecer 100% sob a inflação, o que significaria apenas 4,57% de aumento salarial.

A comissão negociadora do SindMetal-GO não aceitou a contraproposta do Simelgo, que a foi a mesma da reunião anterior

A ausência da nova contraproposta do Simelgo surpreendeu o advogado do SindMetal-GO, João Camargo Filho, já que o sindicato dos trabalhadores havia apresentado ao sindicato dos patrões a pauta de reivindicação dos empregados. “Quando chegamos no momento em que as partes não entrem em consenso, a possibilidade do movimento de revolta dos trabalhadores é sempre presente”, afirmou.

O presidente do SindMetal-GO, Eugênio Francisco disse que “é importante que toda a classe se mobilize para que, juntos, possamos conseguir aumento real”

A melhor saída encontrada pelo SindMetal-GO para que os trabalhadores não sejam prejudicados é a realização de Acordos Coletivos, que possibilita melhores condições de trabalho para os empregados e suprem as necessidades específicas de cada empresa. O presidente do SindMetal-GO, Eugênio Francisco, afirmou que não aceitará cortes nos direitos da categoria. “Os empresários estão colocando a culpa da crise nos trabalhadores, por isso é importante que toda a classe se mobilize para que, juntos, possamos conseguir aumento real”.

João Paulo Dantas