O governador Marconi Perillo (PSDB) e o deputado federal Daniel Vilela (PMDB) foram citados na lista do ministro e relator da Operação Lava Jato Luiz Edson Fachin, que pediu a abertura de inquéritos contra os parlamentares goianos.  Na terça-feira (11), Fachin autorizou a Procuradoria-Geral da República (PGR) a investigar 8 ministros, 3 governadores, 24 senadores e 39 deputados federais.

O atual prefeito de Goiânia, Iris Rezende (PMDB), o ex-prefeito de Aparecida de Goiânia, Maguito Vilela (PMDB), o ex-senador Demóstenes Torres, o ex-deputado federal Sandro Mabel e o ex-prefeito de Trindade, Ricardo Fortunado, também estão na lista para serem investigado.

Para Daniel e Maguito, foi determinada a abertura de inquérito no STF. O pedido contra Marconi foi encaminhado ao Supremo Tribunal de Justiça (STJ). A licitação da ferrovia de integração Oeste-Leste e as obras do novo aeroporto da capital também entraram nas investigações.

Daniel Vilela contra a reforma da Previdência

No fórum Fórum goiano contra a Reforma da Previdência realizado pela CUT no dia 14 de março, o deputado federal Daniel Vilela afirmou que votará contra a reforma Previdenciária, mesmo estando no partido de Michel Temer e fazendo parte da base de apoio. “Sei que isso me trará desconforto político (…) e eu direi claramente que não tenho a mínima intenção de votar no texto atual da Reforma Previdenciária.”

Escute na íntegra a resposta do deputado ao jornalista do SindMetal-GO:

 

Por Lorrany Castro