Devido ao constante atraso no pagamento dos salários, repasse do FGTS e INSS, dentre outras reivindicações, os empregados da GynGlass decidiram por decretar greve geral. O movimento paredista está sendo comandado pelo SindMetal-GO, que contou com o apoio de diversos dirigentes sindicais nesta segunda-feira, 19 de dezembro, para paralisar as atividades da empresa.

Ainda era madrugada quando diretoria e parceiros do SindMetal-GO chegaram no portão da empresa

Após a equipe do sindicato aguardar, junto aos trabalhadores, durante boa parte da manhã no portão da empresa até que a direção da GynGlass se manifestasse, finalmente os empresários decidiram por sentar-se à mesa para dar início à negociação de um acordo coletivo. No entanto, nenhuma proposta foi apresentada por eles, que se comprometeram a realizar nova reunião na terça-feira, 20 de dezembro.

Após espera, representes da empresa decidem sentar à mesa de negociação

Estávamos precisando desse auxílio, pois todo mês é a mesma coisa e diversos companheiros estão com aluguel e outras contas atrasadas” afirma um dos funcionários, Cleuvane Sousa Oliveira. Secretário da Força Sindical de Goiás, Rherman Souza participou do movimento e acredita no poder da união entre as entidades sindicais. “Serve de exemplo para que a categoria também se aproxime do seu sindicato e perceba a força que temos juntos” diz ele.

Trabalhadores se mobilizam e aderem ao movimento de greve

Presidente do SindMetal-GO, Eugênio Francisco afirma que a greve continua até que a situação seja regularizada e a empresa faça uma proposta que seja aceita em assembleia pelos empregados. “O sindicato e seus ativistas, com o respaldo dos trabalhadores, irá continuar mobilizado o tempo que for necessário” declara.

Presidente do SindMetal-GO, Eugênio Francisco