Se engana quem pensa que a LER (Lesão por Esforço Repetitivo), se restringe apenas aos profissionais que trabalham com computadores ou no celular. Classificada como um Distúrbio Osteomuscular Relacionado ao Trabalho (DORT), a doença gera um desgaste nas cartilagens devido aos movimentos repetitivos por um longo período. Na área metalúrgica pode ser uma doença comum.

Em 2008, a Universidade de Brasília realizou uma pesquisa que mapeou as principais doenças causadoras de afastamento do trabalho no Brasil. Dos 32,5 milhões de trabalhadores brasileiros, 4% receberam o auxílio-doença por mais de 15 dias consecutivos. Os principais motivos estão ligados a lesões, como fraturas de pernas, punhos e braços. O custo aos cofres públicos foi de R$ 669 milhões.

O ortopedista Luciano Irata recomenda que o trabalhador, a cada duas horas, faça um intervalo de pelo menos 5 minutos para caminhar e alongar os músculos. O estresse e a ansiedade são outros fatores que colaboram com o aparecimento da LER. “O trabalhador tem que estar satisfeito com o trabalho que realiza, isso já é um grande passo para prevenir as lesões inflamatórias”.

O médico explica que para amenizar as lesões, os exercícios físicos são fundamentais. “Quem trabalha em pé ou faz movimentos repetitivos tem que chegar em casa e fazer caminhada ou corrida para fortalecer os músculos”. O ortopedista alerta para o uso excessivo de anti-inflamatórios sem prescrição médica. “Pode fazer com que ele perca o efeito”, diz. Se as dores musculares aparecerem, procure imediatamente um especialista.

Post_Metal_Saude_LER-01-01