O relator da comissão especial do impeachment da Câmara dos Deputados, Jovair Arantes (PTB-GO), apresentou nesta quarta-feira (6) parecer favorável à abertura do processo de afastamento da presidente Dilma Rousseff.

Foram ouvidos argumentos dos juristas Janaína Paschoal e Miguel Reale Jr., autores do pedido de impeachment, e do advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, que defende o não afastamento de Dilma. Janaína e Miguel alegaram que a presidente agiu intencionalmente ao prometer o que não seria possível cumprir, além de tentar mascarar as contas públicas para dar à população a sensação de economia estável, o que afirmam ser crime de responsabilidade.

Cardozo, no entanto, discorda e diz que não houve crime, já que não teve intenção de Dilma. “Crime de responsabilidade exige que seja um ato doloso”, explica. Ele afirma que todas as ações tomadas pela presidente estavam respaldadas pela lei, por isso a ausência de um possível crime de responsabilidade.