Enquanto os trabalhadores brasileiros lutam para reduzir a jornada de trabalho para 40 horas semanais no País, os empregados da Malu Reparação Automotiva ainda estão na época da escravidão. São obrigados a trabalhar de segunda à sexta-feira, das 7h30 às 11h30 e das 13h10 às 18h. Só aí já está ultrapassando a jornada mínima estabelecida em lei.

Não bastasse, ainda trabalham aos sábados, das 7h30 às 12h, e não recebem horas extras. O SindMetal-GO encaminhou um ofício ao Ministério do Trabalho requerendo uma auditoria fiscal. Isso é pura escravidão, é um caso de polícia.

A direção do sindicato continua com os canais de denúncias para os trabalhadores comunicarem a falta de cumprimento da legislação e da Convenção Coletiva da categoria. O número para denúncias pelo aplicativo WhatsApp é (62) 8177-0071.

 

Fonte: Núcleo de Jornalismo e Assessoria de Imprensa