Aumento nos custos de matérias-primas pressionou resultado. Gerdau elevou volume de recursos de minério para 2,9 bilhões de toneladas.

A Gerdau divulgou nesta quinta-feira (3) uma queda de 35% no lucro líquido do quarto trimestre em relação ao mesmo período de 2009, pressionada por aumento nos custos de matérias-primas que ficaram em descompasso com os preços dos produtos.

A companhia registrou lucro líquido de R$ 420 milhões ante R$ 643 milhões no quarto trimestre de 2009 e R$ 609 milhões entre julho e setembro.

Ainda nesta quinta-feira, a Gerdau elevou o volume de recursos de minério de ferro de 1,8 bilhão para 2,9 bilhões de toneladas, após novas avaliações de volumes e de teor de ferro realizadas recentemente e aquisição adicional de áreas.

Com isso, a empresa afirma, sem dar detalhes, que vai aprofundar estudos para “explorar alternativas para monetizar parte desses recursos, avaliando as diversas opções estratégicas”.

No trimestre passado, a empresa teve uma geração de caixa operacional medida pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) de R$ 815 milhões, uma queda de 35% sobre os R$ 1,246 bilhão verificados um ano antes. O dado inclui “perdas por não recuperabilidade de ativos” de R$ 336 milhões.

A margem Ebitda caiu de 20% para 10% no período.

“Esse resultado é explicado pelo impacto dos preços das matérias-primas nas diferentes operações de negócios. O descompasso entre os aumentos dos preços das matérias-primas e o repasse nos preços de produtos de aço resultou em uma redução na margem Ebitda consolidada”, afirma a Gerdau no balanço, sem dar detalhes sobre a proporção de diferença.

O resultado da Gerdau foi divulgado depois que a Usiminas anunciou na semana passada lucro de R$ 413 milhões, queda de 38%, menor que a esperada pelo mercado, na comparação com o mesmo período do ano passado.

Pelos números da Gerdau, as operações do Brasil e com aços especiais sofreram quedas no Ebitda e alta de quase 40% nos custos das vendas, enquanto as áreas da América do Norte e América Latina registraram incrementos na geração de caixa.

No Brasil, a queda no Ebitda foi de 54% no quarto trimestre, enquanto em aços especiais o recuo foi de 6%. Já nas operações na América do Norte, um incremento na atividade econômica apoiou um crescimento de 13% no Ebitda e aumento de 27% no custo de venda. Na América Latina houve altas de 66% e 35%, respectivamente.

América do Norte lidera

A companhia produziu 4,378 milhões de toneladas de aço bruto no quarto trimestre, um crescimento de 14% sobre o mesmo período de 2009, puxado por salto de 30% na América do Norte, para 1,51 milhão de toneladas, e de 21% na América Latina, para 431 mil toneladas.

No Brasil, onde grande volume de importações de aço afetou a indústria siderúrgica, o volume produzido cresceu ligeiros 3%, para 1,718 milhão de toneladas na comparação anual. A divisão de aços especiais registrou incremento de 8% no volume produzido, a 721 mil toneladas.

Enquanto isso, as vendas subiram 23%, para 4,513 milhões de toneladas. Na operação brasileira, houve queda de 1% nas vendas ao mercado interno, com queda de 7% na receita líquida, e salto de 128% nas exportações.

A Gerdau fechou o trimestre passado com receita líquida de R$ 7,8 bilhões, aumento de 23% na comparação anual.

A empresa anunciou na véspera investimento de R$ 2,47 bilhões até 2016 para aumentar em 50% sua usina de aços longos no Rio de Janeiro. Em 2010, o investimento da Gerdau somou R$ 1,3 bilhão.

Fonte: Portal G1